Aroldo Ferreira Leão fala de juazeiro com Rodrigo de Souza Leão.

01.A CENA


O cenário é interessante. Com muita gente fazendo coisas bacanas,não só em literatura como também em música, artes plásticas, sociologia.
Primeiro, é bom que entendas o que é a minha região, que conta comPetrolina e Juazeiro como principais cidades, divididas pelo Rio São Franscisco, o Velho Chico. De um lado está Pernambuco, do outro a Bahia.
Estamos na área do polígono das secas. Há algumas cidades circunvizinhas que são importantes para o desenvolvimento da região como Senhor do Bonfim, Curaçá,Uauá, Casa Nova e Sobradinho na Bahia e Lagoa Grande,Santa Maria da Vitória e Salgueiro em Pernambuco. A título de curiosidade, em Juazeiro nasceu João Gilberto, com sua musicalidadegenial. Também de Juazeiro é Galvão, poeta e letrista dos Novos Baianos.
Em Petrolina nasceu Geraldo Azevedo, que possui um trabalho musical na MPB interessante. Voltando a falar do cenário poético, a região possui uma quantidade de poetas enorme, muitos dos quais ainda inéditos, o que não é novidade em um país como o nosso que pouco valoriza a cultura. Há duas antologias importantes que retratam o panorama poético da região.
Uma delas é a Poética Ribeirinha, lançada em 1998, organizada por Elisabet Moreira, Mestre em Literatura pela USP, radicada em Petrolina há mais de vinte anos,professora de Língua Portuguesa do CEFET local, que traz em suas páginas, entre vivos e mortos, uma relação de poetas bastante significativa que fizeram poesia na região até 1995. A outra antologia, lançada no ano passado, pela U.B.E.(União Brasileira de Escritores/Núcleo Petrolina), foi Poetas em Rebuliço, um perfil contemporâneo da criação poética no eixo Petrolina/Juazeiro, contando com a participação de 33 poetas. Quando me perguntas se há mais que Cordel na região, claro que há, sempre houve.
Escreve-se de tudo.Crônicas, contos, romances, novelas, textos teatrais, poemas de todos os tipos, desde versos livres até sextinas e coroas.
Rodrigo, é bom que entendas que o fato de o poeta estar no interior do Nordeste não o deixa bitolado numa necessidade intermitente de ter que fazer Cordel. Pelo contrário, o cenário é de todo poeta buscar sua individualidade, sua forma melhor de se expressar, que , na maioria das vezes, não é a do Cordel. Na região do Sertão em que moro, que é a do pólo Juazeiro/Petrolina, com quase 500.000 mil habitantes, é bom que se frise isso, ainda se vê a venda de Cordéis, principalmente na Feira da Areia Branca, uma das principais Feiras de Petrolina. Talvez onde o Cordel seja mais lido e vendido seja mesmo na região Juazeiro do Norte/Crato,cidades cearenses unidas à paixão pelo Padre Cícero, distantes uns 300 quilômetros do eixo Juazeiro/Petrolina. Também na região do Sertão do Pajeú, berço da poesia repentista, o Cordel ainda é bastante lido,cultivado e apreciado. O fato de fazer sonetos é que como poeta procuro sempre me cercar do que a literatura universal deu de melhor. Então pra isso leio Dante, Petrarca, Mallarmé, Rimbaud, Camões, Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro, Drummond, Bandeira, Augusto dos Anjos, Gerado Mello Mourão e até de nomes que, talvez, não tenhas tomado contato ainda, como Rogaciano Leite(que segundo Pinto do Monteiro, o maior repentista em todos os tempos, fazia soneto de improviso) ou mesmo Cancão(João Batista de Siqueira), que vivendo no Sertão do Pajeú escreveu versos tidos como clássicos da mais alta qualidade. Todos os que te falei anteriormente compuseram sonetos. Veja bem, todos eles, na sua grande maioria, fizeram sonetos na forma italiana(dois quartetos e dois tercetos). Eu proponho e crio, sem quaisquer vaidades ou sentimentalismos insossos, não só a criação de sonetos na forma italiana, mas também na forma espanhola(dois tercetos e dois quartetos), na forma inglesa(três quartetos e um dístico) e também na forma que chamo de brasileira com dois quintetos e dois dísticos ou dois sextetos e dois veros unos. Nos meus sexto, sétimo, décimo e trigésimo livros publiquei mais de trezentos sonetos, todos na forma italiana, onde os coloco, metrificados de uma até doze sílabas(alexandrinos) e também os ponho em versos livres. Brevemente, estarei publicando sonetos na forma inglesa. Entenda bem, não é o fato de estar "isolado", no interior do Nordeste ou qualquer outra região, que o poeta não está sintonizado com
o mundo que o cerca e com as coisas que se engalanam por aí afora. Sou potiguar, nascido em Parnamirim, cidade conhecida como "Trampolim da Vitória" e já morei em diversas cidades como Natal, Salvador, Campina Grande, Niterói, Curitiba, e toda esta bagagem, do que vi e senti em cada uma dessas cidades, trago-a na alma e procuro com isso crescer como gente e transformar o mundo para melhor, se ainda for possível isso.
Tenho trabalhado muito há muito tempo. Desde 1995, quando lancei meu primeiro livro, até agora, 2002, são trinta e três livros lançados e participação em onze antologias a nível nacional. Mesmo reconhecendo as inúmeras dificuldades pelas quais passa o poeta no Brasil, desde a impressão de seu livro até a divulgação do mesmo, acredito que venho,aos trancos e barrancos, doidamente doído, movido pela única vontade de contribuir de alguma forma para o engrandecimento moral e espiritual da humanidade, alicerçando meu caminho e amadurecendo nas veredas da poesia. Em relação a última pergunta deste tópico, há três universidades na região Petrolina/Juazeiro. Em Petrolina ficam a FACAPE, universidade particular, abrangendo cursos como Contabilidade e Administração e a U.P.E(Universidade de Pernambuco) com cursos como Letras, Matemática e Pedagogia. Já em Juazeiro existe a U.N.E.B(Universidade do Estado da Bahia) oferecendo, dentre outros cursos, Filosofia e Agronomia. Segundo se comenta por aqui, a Universidade Federal do Vale do São Francisco já possui espaço e autorização do governo federal para funcionar, basta apenas que a coisa engrene de forma limpa e definitiva, oferecendo um leque de cursos mais abrangente. Todas as universidades que citei anteriormente oferecem cursos de pós-graduação em diversas áreas,o que é interessante para a região.

AROLDO NA NET

Cheguei a internet, definitivamente, em 1996, mas já tinha contato com a mesma desde 1994. Na região Petrolina/Juazeiro, atualmente, existe apenas um provedor. É o Portal do São Francisco, com muitas informações interessantes sobre o que acontece no chamado Vale do São Francisco.
Neste Portal tenho uma coluna onde escrevo contos e crônicas geralmente ligadas a essência sertaneja de ver e viver as coisas.

A DIFICULDADE DE MORAR FORA DE UM GRANDE CENTRO

A dificuldade, creio eu, é a de qualquer escritor, que vive no interior e está limitado tanto em relação a distância dos grandes centros como também a evidenciação de seu trabalho na mídia em geral,que geralmente está presente nas capitais do país.Há também o fato de existirem poucas gráficas, poucos jornais, tornando ainda mais penoso a questão da edição de um livro. Porém, como já te falei anteriormente,consegui publicar, até agora, 33 livros, mesmo estando muitas vezes limitado por inúmeros fatores que, talvez, inibissem qualquer poeta a buscar não só a impressão de seu livro como também a divulgação do mesmo. Entendo que a superação de si mesmo, a todo instante, é um fluir necessário na alma de qualquer poeta. Tenho vivido para a poesia esses anos todos e aprendi que a persistência, a humildade e a vontade de ver nossa obra sendo discutida e analisada requer paciência e muito trabalho. Às vezes leva uma vida. Outras vezes leva um tempo bem maior.
Tantas vezes não dá em nada. Algumas vezes floresce e se ramifica com força e sutileza. O importante é a certeza de que demos o melhor de nós mesmos na conquista de nossos sonhos. Fernando Pessoa no seu poema Mar Português diz "Tudo vale a pena/Se a alma não é pequena/ Quem quer passar além do Bojador/ Tem que ir além da dor". Penso que cabe a nós mesmos a ampliação de nossos horizontes espirituais. Precisamos construir, com luta e carinho, uma humanidade melhor. O tempo é agora.

MINHA HOME PAGE

A home-page foi feita por Dio Fonseca, designer, que desde 1997 faz as capas e a diagramação dos meus livros, juntamente com o webdesigner Alexandre Gonçalves, carioca de Vila Isabel, que, por incrível que pareça, veio morar aqui na região, desde 2000, porque conheceu uma menina de Juazeiro via bate-papo na internet e acabou namorando e casando com ela e, como conseguiu manter amizade com Dio, começou a trabalhar com o mesmo. E se ficou amigo de Dio, ficou meu amigo também.
Daí surgiu a idéia da home-page. Como Alexandre já trazia um grande conhecimento sobre o assunto acabou encontrando em Dio uma parceria perfeita. Fiquei entusiasmado com a idéia de possuir uma home-page onde estivesse todos os meus livros para download e também meu CD, lançado em 2001, onde de casa mesmo o ouvinte pudesse apreciar e verificar a qualidade musical de minha obra. Na home-page "http://www.aroldoferreiraleao.com.br/" existem treze livros para quem tiver interesse em conhecer meu trabalho literário. Até junho, acredito eu, já estarão os outros vinte livros. Meu CD, intitulado Sacolejos e Manejos,contém 14 forrós, todos de minha autoria, onde procuro dar aos mesmos uma noção mais profunda em relação ao conteúdo poético e harmônico de cada canção. Na home-page há uma canção, Bicho do Mato, que pode ser ouvida no formato MP3. O Portal do São Francisco, provedor local, é quem hospeda a mesma.

CINCO SONETOS:

"NÃO ÉS MAIS"
(SONETO NA FORMA ITALIANA EM OITO SÍLABAS)

Não és mais o que nunca foste.
Senta-te, acalma-te, pondera-te.
Aprende a ouvir-te, esmiuça-te,
Respira com entusiasmo.

Estás vivo, é o que se vê, pasmo.
Então, vai, logo, aprimora-te,
Percorre teu caminho, ama-te,
Compreende o hálito do corte

Que te tornou insano e mau,
Investiga o tom cadavérico
Das coisas fúteis, o pilhérico

Fluir das vidas sem sentido,
A alquimia íntima do nítido
Olhar aberto ao ir da nau.


"ASSOMBRADO"
(SONETO NA FORMA ITALIANA EM VERSOS LIVRES)

Assombrado, dividido pelo que não sabia,
Viu-se vazia
Criatura
De caricatura

Turva, curva que se prendia
Ao caminho que só existia
Nele mesmo, bailarino
Sem pernas, pequenino

Fragmento disperso noutros fragmentos
De elementos
Recriados na natureza dos seres mortos.

Foi impostor de beleza insaciável,
Condutor de corrente elétrica variável,
Frio fio ligado aos sons dos portos.


"A MORTE"
(SONETO NA FORMA INGLESA DISSILÁBICO)

A morte
Te espera
Sempre. Era
A era, é

O corte
Que te une,
Corizas
Sem fé

Caindo
Em teu
Rosto. Eu
Sei, findo,

Que estás
Sem paz.


"SIGO"
(SONETO NA FORMA ESPANHOLA EM VERSOS LIVRES)

Sigo, solto em meus deslizes,
Buscando a verdade das coisas,
A essência dos instantes que me cercam.

Minha loucura me vê
Triste e confuso,
Menino tateando nas percepções,

Fantasma rondando
A ancestralidade dos desatinos
Que me tornam agregado ao silêncio maior
Das almas sós.

A realidade cansa-me,
A vida suja-me,
O tempo não me ouve, não me diz nada.
Sou a curva dos infinitos, pesada curva oca.


"ALMAS SUTIS"
(SONETO NA FORMA BRASILEIRA TETRASSILÁBICO)

Almas sutis
Sabem que estão
A todo instante
Renascendo em
Si mesmas, pálidas,

Polidas no
Acaso com
Que abraçam o
Silêncio de
Seus movimentos.

Elas percorrem
Caminhos ermos,

Querem o amor
Justo de Deus.

Aroldo Ferreira Leão

Aroldo Ferreira Leão, poeta, potiguar, nasceu em Parnamirim/RN a 12 de outubro de 1967. Desde os 15 anos de idade escreve com freqüência, já contando com mais de 10.000 poemas escritos, que espera algum dia possam ser avaliados e pesquisados com seriedade. É formado em Engenharia Elétrica pela UFRN e possui pós-graduação em Letras pela UFRJ.
Atualmente faz Mestrado em Matemática na UFBA. Começou a publicar seus primeiros trabalhos no jornalzinho cultural Vôo Primeiro de Uma Arribação em Natal/RN na década de 80. Possui trinta e três livros publicados. Trinta de poesias, dois de teatro e um de literatura infantil. Tem participação em treze antologias a nível nacional.
Compositor, possui gravado o CD Sacolejos e Manejos com 14 forrós de sua própria autoria, onde busca penetrar com profundidade no universo poético-musical de suas canções. Em breve estará lançando o CD A Poesia das Coisas, com 12 canções também de sua autoria, no estilo MPB. Para o ano de 2002 lançará livros de crônicas, contos e um romance denominado O Quarto de Teobaldo onde procura a essência humana de ver, sentir e se expandir nos instantes, nas circunstâncias. Atualmente exerce a função
de Auditor Fiscal na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia. Possui uma home-page "http://www.aroldoferreiraleao.com.br/" onde pode ser encontrada toda a sua obra e também biografia completa, bibliografia, reportagens,fortuna crítica e ensaios a seu respeito.

Rodrigo de Souza Leão
poeta, músico e jornalista

Balacobacoonline/Abril de 2002