A MATÉRIA
(Sonetos Espanhóis em Versos Livres)

A matéria apodrecida
No caixão tornava
O cemitério distante,

Comunhão de sentimentos
Confusos e tristes,
Imprópria sensação

Que remetia o morto
Para paisagens esquecidas,
Caminhos dissolvidos
No chão das amarguras de cada um.

Somos a morte do outro,
A vaidade que se recria
Em outras vaidades sem sentido,
Decomposição silenciosa de nós mesmos.

 

voltar