ALGO
(A Janela do Sótão)

Algo envereda
Pelo silêncio
De toda queda.
Reconstrói o ócio

Envenenado
Das circunstâncias.
O vesgo enfado
De velhas ânsias

Flutua, tímido,
No sustenido
Tom destemido

Vindo, silente,
Na transcendente
Dor decadente.

voltar